2

O gatinho que não pula

Gente, abri o blog hoje e quase desmaiei! Já tinha mais de 600 acessos! Fiquei imensamente feliz. Espero que vocês estejam gostando, e, mais importante, que estejam contando as historinhas para todas as crianças que estejam por perto. Aproveito para agradecer os recadinhos, comentários e incentivo que recebi de todos. Vocês são fantásticos! Obrigada, mesmo, por tanto carinho!


Mil beijos e bons sonhos!




O gatinho que não pula



Era uma vez uma gata grande e bonita. Esta gata entrou no telhado de uma casa, teve três filhotes e fugiu. Atrás dela, dois filhotes se foram, uma ficou. Esta gata que ficou cresceu, ficou grande e bonita. E teve um filhote. Esta é a história deste filhote.

O gatinho, ao contrário da gata- vó e da gata-mãe, não cresceu. Ficou miudinho que só. Não era culpa de ninguém – os donos da casa em que estava o tal telhado lhe davam leitinho, do mesmo modo que fizeram com sua mãe e avó. Só que não era da natureza dele ser grande. E assim o tempo passou e ele continuou pequeno.

Ocorre que este telhado, era alto, muito alto. E dava para um outro telhado, na casa do vizinho, que era mais baixo. Para sair, era só pular de um telhado para o outro, e então para o chão. Todos os gatos faziam isso. A gata avó e a gata mãe iam e vinham com a maior facilidade. O gato pai, que morava em um telhado na rua de trás, a mesma coisa. Mas o gatinho tinha medo. Tanto medo que ficava lá, paradinho, todos os dias. Ele ficava a maior parte do tempo só, já que toda a gataria gostava mesmo era de dar no pé logo após o almoço. Iam todos passear, miar, festejar. E o gatinho, neca. O medo era tão grande, mas tão grande, que ele olhava para baixo e via um abismo. Parecia que não conseguiria jamais. Todos os outros gatos o chamavam para passear, ele justificava que não podia. Dizia que era muito pequeno, ia se machucar.

O tempo passou. Veio outra gata ter cria no telhado. O gatinho ficou feliz, teria companhia. A gata teve um filhote. Era pequeno, muito pequeno, muito menor que o gatinho. Mas tinha uma coragem que só vendo! Assim que começou a andar, o filhotinho se lançou ao telhado do vizinho e, num pulo, estava no chão. O gatinho não acreditou no que via! Ficou sozinho, de novo. E sem desculpas para não pular. E foi assim que o gatinho resolveu pular. Foi para o telhado do vizinho sem problemas. Com um pouquinho de receio, lançou-se ao chão. Dali, ganhou o mundo. E, descobriu que o medo tão grande que sentia, tinha sido por ele mesmo criado. Grande ou pequeno, para fazer qualquer coisa, tudo o que se precisa é coragem.

2 comentários:

Tati disse...

Oi, escrevi um comentário dias atras, mas não sei o que houve, sumiu... resumindo eu só queria dizer que ameiiiiiii o seu blog, as histórias, dicas e o design suave bem próprio para o tema. parabéns!
eu tb perguntava se poderia divulgar lá no meu blog www.tutitati.blogspot.com
já está lá linkado pq achei sua proposta ótima e o que é bom precisa ser partilhado, mas se por algum motivo não curtir me avise, tá?
beijinhos

Uma historinha por dia disse...

Amei seu blog! As camisetas com o coelhinho são a coisa mais fofa! Já virei seguidora e vou visitar sempre.

Pode divulgar o blog, sim.A ideia é essa mesma. Quanto mais crianças tiverem acesso às historinhas, melhor!

Beijos

Postar um comentário